217

PERTURBAÇÃO DO ESPECTRO DO AUTISMO: DA INTERVENÇÃO PRECOCE À INTERVENÇÃO ESCOLAR. turma T2-23-24

Apresentação

A formação procura dotar os formandos com conhecimento princípios e valores da Educação Inclusiva e Equitativa, estratégias de diferenciação pedagógica, medidas educativas, metodologias de avaliação e monitorização das aprendizagens, para que cada aluno possa intervir, participar, adquirir saber e desenvolver competências essenciais para a sua vida quotidiana, autodeterminação e autonomia. A legislação sobre Educação Inclusiva, em Portugal foi implementada há quatro anos atrás, ainda surgem muitas dúvidas na sua operacionalização, por isso considera-se que será importante para os profissionais a oportunidade de terem acesso a conteúdos formativos atualizados, numa perspetiva universal, de refletirem conjuntamente, de produzirem conhecimento, e de terem acesso à partilha de experiências profissionais, que possam contribuir para uma prática educativa mais eficaz e coesa.

Destinatários

Professores dos Grupos 910, 920, 930

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Grupos 910, 920, 930. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Grupos 910, 920, 930.

Objetivos

1- Reconhecer os princípios e valores que estão na base da Educação Inclusiva e Equitativa. 2- Reconhecer a importância da Intervenção Precoce como mais valia na articulação e intervenção em contexto escolar. 3- Conhecer o processo de desenvolvimento da transição entre ciclos. 4- Conhecer o conceito de Perturbação do Espectro do Autismo e proposta de metodologias de intervenção. 5- Correlacionar o processo de ensino-aprendizagem, atendendo ao Desenho Universal de Aprendizagem e o Perfil do Aluno à Saída da Escolaridade Obrigatória. 6- Refletir sobre as medidas educativas a aplicar atendendo às necessidades do aluno com PEA. 7- Delinear propostas de intervenção pedagógica/definição de estratégias pelo docente, de acordo com o perfil do aluno do Perturbação do Espectro do Autismo (PEA). 8- Implementar mecanismos de avaliação e monitorização do processo educativo do aluno com PEA. 9- Refletir sobre o envolvimento da família no percurso educativo do aluno e sobre a continuidade do reforço da participação e aprendizagem em contexto familiar.

Conteúdos

1. Educação inclusiva 1.1 Princípios e valores da Educação Inclusiva e Equitativa 1.3 Equidade no acesso a uma Educação de Qualidade 1.4 Oportunidades Educativas 1.5 Valorização da diversidade 1.6 Princípio da não discriminação 2. Políticas Educativas para a Inclusão: legislação em Portugal. 3. Perturbação do Espectro do Autismo 3.1 Caraterísticas da Perturbação do Espectro do Autismo. 4. A Aprendizagem e a Participação 4.1 Aplicação de medidas de apoio integrado centrado na criança e na família; a aplicação de medidas educativas, tendo por base a legislação como suporte à aprendizagem e à inclusão: Decreto-Lei 281/2009, de 6 de outubro; Decreto-Lei 54/2018, de 6 de julho, na sua redação atual. 4.2 Abordagem Multinível e o Desenho Universal para a Aprendizagem; 4.3 Estratégias de diferenciação pedagógica e intervenção nos diversos contextos de aprendizagem; 4.4 A avaliação e a monitorização do processo educativo; 4.5 O envolvimento da Família no percurso educativo do aluno.

Metodologias

As sessões síncronas terão na sua base metodológica a apresentação científica de conceitos e desenvolvimento de conteúdos, fomentando o diálogo construtivo e a partilha de experiências profissionais. O formando terá oportunidade de participar ativamente através de dinâmicas de brainstorming, quizz, visualização de vídeos/músicas, análise de documentos/casos-exemplo e trabalhos de grupo. Nas sessões assíncronas privilegiar-se-á a pesquisa orientada, a reflexão e a elaboração de trabalhos individuais práticos (análise de casos e propostas de estratégias de intervenção, de acordo com o partilhado nas sessões síncronas). Em suma, a metodologia seguirá uma vertente teórico-prática.

Avaliação

- Instrumentos de avaliação dos formandos e respetiva ponderação: - Participação ativa na discussão /reflexão-30% -Realização das atividades práticas-30% - Relatório final de reflexão crítica-40% - De acordo com o Art 46º do ECD em vigor e as orientações das Cartas Circular CCPFC-3/2007 e CCPFC-1/2008, os formandos serão avaliados com a menção qualitativa de: - 1 a 4,9 valores - Insuficiente - 5 a 6,4 valores - Regular - 6,5 a 7,9 valores - Bom - 8 a 8,9 valores - Muito Bom - 9 a 10 valores - Excelente

Bibliografia

1.American Psychiatric Association. Diagnostic and statistical manual of mental disorders: DSM 5. American Psychiatric Publishing Inc, Washington DC, abril de 2013. 2.Claparède, Edouard (1920). L`école sur mesure. Genève: Payot. 3.Colôa, Joaquim (2014). Avaliação para as aprendizagens de alunos com necessidades educativas especiais no 1º ciclo de ensino básico: da diversidade da avaliação à avaliação da diversidade. Universidade de Lisboa. Lisboa. 4.Habermas, Jürgen (1989). The structural transformation of the public sphere. Cambridge: Polity. 5. Nóvoa, António (2009). Professores, Imagem do Futuro Presente. Educa. Instituto de Educação, Universidade de Lisboa. Lisboa.

Formador

Sónia Pereira Camba

Olga Margarida Paulo de Sá

Início: 20-05-2024
Fim: 07-06-2024
Acreditação: CCPFC/ACC-120595/23
Modalidade: Curso
Pessoal: Docente
Regime: e-learning
Duração: 25 h
Local: ZOOM