204

MOTIVAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM NO CONTEXTO EDUCATIVO turma t1-23/24

Apresentação

Como referido por Rosário (2005), a motivação tem um papel determinante na qualidade da aprendizagem das crianças e jovens no contexto educativo. Apesar da motivação ser um processo idiossincrático, a/os educadora/es podem influenciar positivamente os padrões motivacionais da/os mesma/os e, consequentemente, os seus comportamentos e desempenho escolar. Neste sentido, é fundamental explorar o conceito de motivação, as teorias associadas e as estratégias de autorredução da aprendizagem, a fim de desenvolver competências para entusiasmar as crianças e jovens a interessarem-se, envolverem-se e acreditarem no seu próprio percurso/caminho, sentido e propósito de vida. De facto, conseguindo direcionar a sua intenção para a ação no sentido de alcançar um determinado objetivo, as crianças e jovens apresentarão maior envolvimento escolar, sucesso e bem-estar. A exploração das abordagens cognitivas da motivação permite compreender os processos cognitivos e as variáveis de natureza cognitivo-afetiva envolvidas no processo motivacional (expetativas, atribuições, autoestima, perceções da autoeficácia, autonomia percebida, locus de causalidade, tipos de objetivos motivacionais, etc.), que determinam o comportamento motivado das pessoas nas situações de desempenho. É essencial promover processos de aprendizagem mais autónomos e autorregulados, proporcionando desta forma ainda maior escolha/autonomia, perceção de autoeficácia, envolvimento e aprendizagens mais significativas e de qualidade.

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico e Secundário e Professores de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Objetivos

Caracterizar os conceitos de motivação, metacognição, autorregulação da aprendizagem e procrastinação; Explorar estratégias promotoras de comportamentos motivacionais no contexto educativo; Caracterizar a Teoria da motivação para a realização, a da atribucional da motivação e emoção, e a da Autodeterminação; Reconhecer o impacto da forma de antecipação emocional e atribuição causal, e das necessidades psicológicas na motivação intrínseca e no envolvimento escolar; Reconhecer a importância do estilo motivacional de autonomia da/os educadora/es, das competências de ajuda/comunicacionais e do feedback positivo e informativo; Valorizar a definição de objetivos orientados para aprendizagem e Concretos, Realistas e Avaliáveis no Modelo Planificação, Execução e Avaliação, e do enfoque no processo; Distinguir os tipos de conhecimento e instrução; Reconhecer a importância da modelação e da prática guiada e autónoma; Associar estratégias de autorregulação da aprendizagem e motivacionais;

Conteúdos

Sessão síncrona - Apresentação da ação de formação, dos parâmetros de avaliação, dos objetivos gerais e específicos, e do grupo de formação; Caracterização dos conceitos de motivação, metacognição, autorregulação da aprendizagem e proscratinação; Formas de aferir a motivação (escolha, persistência, esforço e rendimento); Sessão assíncrona - Questões-problemas para refletir os conteúdos; Sessão síncrona- Estratégias promotoras de comportamentos motivacionais no contexto educativo; Teoria da motivação para a realização; Impacto da forma de antecipação emocional na motivação; Teoria atribucional da motivação e emoção; Impacto da forma de atribuição causal na motivação; Sessão assíncrona - Questões-problemas para refletir os conteúdos; Sessão síncrona -Teoria da autodeterminação (Teorias das necessidades básicas e da avaliação cognitiva); Motivações intrínseca e extrínseca; Impacto das necessidades psicológicas (autonomia percebida, competência percebida e relacionamento) na motivação intrínseca; Impacto da motivação no envolvimento escolar (comportamental, cognitivo e emocional); Sessão assíncrona -Questões-problemas para refletir os conteúdos; Sessão síncrona - Importância do estilo motivacional de autonomia adotado pela/os educadora/es; Repercussões do mesmo na motivação intrínseca; Importância das competências de ajuda e comunicação facilitadoras (Respeito, afetividade, especificidade, autenticidade, autorrevelação do/a educador/a, confrontação e imediaticidade); Valorização dum relacionamento de qualidade e da adaptação às necessidades do contexto; Sessão assíncrona- Prática dos conteúdos explorados; Sessão síncrona- Impacto do feedback positivo e informativo na perceção de autoeficácia e motivação intrínseca; Importância da definição de objetivos orientados para aprendizagem e Concretos, Realistas e Avaliáveis (CRAVA) na motivação; Modelo PLEA - Planificação, Execução e Avaliação; Importância do enfoque no processo e não no resultado; Sessão assíncrona -Prática dos conteúdos explorados; Sessão síncrona - Tipos de conhecimento (declarativo, procedimental e condicional); Tipos de instrução associadas (instrução direta, modelação e prática guiada com feedback); Importância da sequência para promover a prática autónoma e a autorregulação da aprendizagem; Estádios de desenvolvimento (observação, imitação, autocontrolo e autorregulação); Sessão síncrona-Estratégias de autorregulação da aprendizagem; Associação com estratégias motivacionais; Síntese; Esclarecimento de dúvida; Avaliação do curso de formação; Conclusão da formação; Abertura em relação à próximas ações.

Metodologias

Ao longo das diferentes sessões da ação de formação de tipologia teórico-prática e principalmente prática, serão valorizadas as interações e partilhas, recorrendo aos diferentes métodos e técnicas pedagógicas, nomeadamente aos métodos interrogativo (formulação de perguntas) e ativo (tempestade de ideias, estudo de casos, jogo de papéis, trabalhos individuais e de grupo, etc.), na sala principal e nas salas em simultâneo. As reflexões de grupo também serão registadas, recorrendo à ferramentas digitais e plataformas. O recurso à vídeos facilitará, igualmente, a reflexão e a partilha no seio do grupo.

Avaliação

- Instrumentos de avaliação dos formandos e respetiva ponderação: - Participação ativa na discussão /reflexão (30%) - realização das atividades práticas (30%) - Relatório final de reflexão crítica (40%) - Participação na apresentação/discussão/debate dos trabalhos realizados ao longo das sessões; - Elaboração de relatório final individual reflexivo. - De acordo com o Art. 46º do ECD em vigor e as orientações das Cartas Circular CCPFC-3/2007 e CCPFC- 1/2008, os formandos serão avaliados com a menção qualitativa de: - 1 a 4,9 valores - Insuficiente - 5 a 6,4 valores - Regular - 6,5 a 7,9 valores - Bom - 8 a 8,9 valores - Muito Bom - 9 a 10 valores - Excelente

Bibliografia

Almeida, L., Miranda, L & Guisande, M. (2008). Atribuições causais para o sucesso e fracasso escolares. Estudos de Psicologia /Campinas, 169-176;Niemiec, C. & Ryan, R. (2009). Autonomy, competence and relatedness in the classroom: Applying self-determination theory to educational practice. 7: 133. Theory and Research in Education;Reeve, J. (2013). Why teachers adopt a controlling motivating style toward students and how they can become more autonomy supportive. 44:3, 159-175. Educational Psychologist;• Rosário P. (2005). Motivação e aprendizagem – Uma rota de leitura;Fonte: Rosário et al. (2017). Manuais do Projeto MENTOR – Tutorias autorregulatórias. Grupo Universitário de Investigação em Autorregulação. Escola de Psicologia. Universidade do Minho.

Formador

Vanessa Esmeralda Rodrigues Pereira

Início: 07-05-2024
Fim: 28-05-2024
Acreditação: CCPFC/ACC-120977/23
Modalidade: Curso
Pessoal: Docente
Regime: e-learning
Duração: 25 h
Local: ZOOM

INSCREVER-ME